Coruja: Encontrada mais uma espécie

Ao anoitecer, um som nunca ouvido antes pelas lindas matas da reserva chama nossa atenção.

Coruja-orelhuda: nova espécie para a RPPN Dona Aracy.

Uma ótima notícia nos alegrou no mês de dezembro de 2010, pois, ao conversar com um biólogo do Projeto Arara-azul, percebemos que a RPPN Dona Aracy havia sido contemplada com mais uma espécie de ave para sua extensa lista.

Ao caminhar pelas imediações da RPPN, Douglas, biólogo da equipe do Projeto Arara-azul, ouviu um som diferente do que está acostumado a ouvir ao anoitecer. O som era grave, bonito e incomum naquela área. Ele seguiu o som e se surpreendeu com a coruja-orelhuda (Rhinoptynx clamator), uma ave de rapina que possui uma das audições mais bem desenvolvidas entre as corujas. É uma espécie de médio porte, possuindo de 30 a 38 cm de comprimento e podendo atingir um peso até de 550 gramas.

Alimenta-se de pequenos mamíferos como roedores e morcegos, mas também caça aves e grandes insetos. Essas corujas constroem ninhos no solo ou em ocos de árvores, fazendo uma postura de 2 a 4 ovos, que ficam sob os cuidados da fêmea que é alimentada pelo macho. Os ovos eclodem 30 dias após o início da incubação e, após a eclosão, os pais se alternam nos cuidados com os filhotes.

Esta espécie ocorre em alguns países, como a Venezuela, a Bolívia, o Paraguai, a Argentina, o Uruguai e em todo Brasil exceto na floresta amazônica. A nova espécie de coruja nunca tinha sido vista no Refúgio Ecológico Caiman e animou a equipe de guias da pousada e da RPPN Dona Aracy.

RPPN: A expedição continua

Dando continuidade ao desbravamento da Reserva, a equipe da RPPN Dona Aracy descobre novas paisagens e áreas inexploradas.

Vegetação nativa da RPPN Dona Aracy.

Nos vários dias de aventura pela RPPN Dona Aracy, tivemos o privilégio de conhecer uma das áreas mais bonitas da fazenda. Durante toda a estação da seca, foi possível observar vários tipos de vegetações nativas. Florestas estacionais, matas de cordilheira, capões, campinas e muitas outras formações. Uma das mais belas paisagens nos surpreendeu no momento em que saíamos de uma mata fechada, surgindo uma extensa campina repleta de capim taboquinha (Panicum laxum), uma espécie de capim comum em áreas que sofrem alagamentos periódicos.

Talvez a paisagem mais impressionante que nos marcou foi a beleza das matas ciliares do Córrego Agachi, que apresentava-se seco, criando açudes bem escondidos na vegetação. Esses resquícios de água são oásis no auge da estação seca, concentrando os animais que disputam a água a cada dia. Em um desses lindos oásis, repleto de flores do algodão-bravo (Ipomoea carnea), à beira da água, havia um cervo-do-pantanal se refrescando. Era um jovem macho, alto e com uma pequena galhada que estava bebendo água. Mantivemos uma boa distância e demorou alguns minutos para ele nos perceber ali, mas ainda assim ficou desconfiado e saiu de cena com saltos graciosos.

Primeiros registros de filhotes de papagaio-verdadeiro dentro do ninho.

Papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva) no topo de um ninho.

Um projeto de quase 15 anos traz consigo muito trabalho de conservação e imagens do papagaio-verdadeiro e seus filhotes vivendo livres na natureza.

De agosto a novembro de 2010 a equipe do Projeto Papagaio-verdadeiro registrou a atividade reprodutiva de um casal de papagaio-verdadeiro em um ninho no Refúgio Ecológico Caiman. Foram cerca de 80 horas de imagens gravadas por uma micro-câmera interna e outra externa ao ninho. Foram registramos os cuidados dos pais com seus ovos e, depois, com seus dois filhotes.

A mãe, desde o começo, se mostrou muito atenciosa com a ninhada, mantendo os filhotes aquecidos e fornecendo alimento diversas vezes por dia. O pai, muito preocupado com a defesa do ninho, também cuidava da fêmea, alimentando-a e alimentando seus filhotes. Afinal, os papagaios são fiéis e, depois que encontram o parceiro, permanecem juntos por toda a vida. Veja o vídeo com a filmagem simultânea da fêmea na entrada do ninho, à esquerda da tela, e os dois filhotes vocalizando dentro do ninho, à direita da tela.

Filmar os ovos e os filhotes crescendo, até estarem prontos para voarem livremente pelo Refúgio Ecológico Caiman, foi realmente uma experiência muito emocionante para todos nós. Iniciado em 1997, o Projeto papagaio-verdadeiro é realizado sem interrupções no Refúgio Ecológico Caiman, entre outras fazendas do Pantanal, com o objetivo de gerar informações sobre a biologia e ecologia da espécie, visando subsidiar sua conservação e dos ambientes onde vive. Agora, contamos com a ajuda de todos para que possamos continuar o Projeto Papagaio-verdadeiro em 2011.

Para maiores informações sobre o Projeto Papagaio-verdadeiro, acesse o site da Fundação Neotrópica do Brasil www.fundacaoneotropica.org.br ou entre em contato com sua coordenadora: glaucia@fundacaoneotropica.org.br

À esquerda: Fêmea na entrada do ninho. À direita: filhotes dentro do ninho.

Autora: Dra. Gláucia Helena Fernandes Seixas